Quarta-feira, 19 de Novembro de 2008

AVENIDA PAULISTA

 

 

Nascida da necessidade de abrigar a elite emergente dos barões do café no fim do século XIX, a Avenida Paulista tornou-se uma das avenidas mais importantes do Brasil, e a mais importante da cidade de São Paulo. A partir desta avenida, a Paulicéia define a sua elite, a cotação dos imóveis é mais alta quanto mais próximo dela estiverem. Tendo o seu início na Avenida Bernardino de Campos e findando na Rua da Consolação, é o marco zero da elite paulistana, define-se à sua esquerda o imponente bairro dos Jardins e à sua direita o caminho para o centro velho da cidade.
Os principais acontecimentos comemorativos de São Paulo (e também do Brasil) são montados na Avenida Paulista, devido ao seu impacto econômico e ao pulsante desenho cultural que cria a sua atmosfera impar. A linha verde do metrô corta a avenida, dando origem a três estações: Brigadeiro (com ligação para a Avenida Brigadeiro Luis Antonio), Trianon-Masp (ligação para o Masp e o Jardim Trianon) e Consolação (ligação para as ruas da Consolação, Augusta, Frei Caneca, Bela Cintra e Haddock Lobo). No último dia do ano a famosa corrida de São Silvestre é ali realizada. Também é palco do maior Reveillon do Brasil. Em junho dá passagem para a maior parada do orgulho gay do mundo, reunindo mais de 2 milhões de pessoas. A livraria Cultura, no Conjunto Nacional, é hoje a maior livraria do Brasil. Cinemas, teatros, centros financeiros, consulados, centros comerciais de produtos eletrônicos e digitais, tudo isto faz desta avenida um encontro entre o poder e a cultura, o elegante e o popular. A Avenida Paulista é o orgulho dos paulistanos e dos milhares de brasileiros de todas as partes do país que adotaram a cidade de São Paulo como lar, como mãe e madrasta.

A Avenida dos Barões do Café

Em 1890, o engenheiro uruguaio Joaquim Eugênio de Lima e os seus associados, adquiriram terrenos da antiga trilha de boiadeiros, depois conhecida como Rua da Real Grandeza. A região foi demarcada, urbanizada e ligada por bondes ao centro da cidade. Teve um tratamento paisagístico inspirado nas avenidas européias. Plátanos, ipês roxos e amarelos, acácias, magnólias, faziam parte da sua arborização. No dia 8 de dezembro de 1981 foi inaugurada a avenida que se deveria chamar Avenida das Acácias ou Prado de São Paulo, mas, em homenagem ao povo paulistano, recebeu o nome de Avenida Paulista. Tinha uma extensão de três quilômetros, com três faixas de trânsito: para carruagens e cavaleiros, pedestres e bondes.
Tão logo surgiu, a Avenida Paulista foi transformada na região mais nobre da cidade. Sua arquitetura urbanística era formada por palacetes dos barões do café, por casarões ladeados de grandes jardins particulares, com sofisticados projetos ecléticos da Belle Époque, da art nouveau, mourisco e neoclássico. Além dos barões do café, era habitada por banqueiros, imigrantes enriquecidos na indústria e comércio.
Em 1916, com projeto de Ramos de Azevedo, o então prefeito Washington Luís, inaugurava, no meio da avenida, o Belvedere Trianon da Avenida Paulista, imensa plataforma de onde se podia ver todo o panorama da cidade. Tinha salão de festas, uma galeria e extensa pérgula que exibia uma estátua de cada lado. Trianon era o nome de um restaurante ali localizado, que emprestou o nome ao Belvedere. Aos domingos, O local tornou-se o ponto elegante de encontro e passeio da mais alta elite paulistana. Foi do Trianon a largada da primeira maratona de São Silvestre, em 1924, organizada pelo jornalista Cásper Líbero. Ao lado do Belvedere havia o Parque Villon, criado em 1892, com projeto do francês Paul Villon, a aproveitar remanescentes de mata nativa. Na década de trinta o Parque Villon foi rebatizado de Parque Tenente Siqueira Campos, nome que prevalece até os dias atuais.
Em 1927, a Avenida Paulista mudou de nome para Avenida Carlos de Campos, nome que conservou até 1930, mas, por petição dos vizinhos, recuperou a sua antiga e popular denominação.

A Verticalização da Avenida

Na década de cinqüenta, a Avenida Paulista segue o crescimento econômico da cidade, deixa de ser uma rua apenas residencial, para receber pequenos prédios comerciais. É nesta década que o Trianon deixa de existir, sendo demolido. No seu lugar, seria inaugurado em 1968, o Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand, o Masp, com o seu famoso vão livre de 74 metros.
Nas décadas de sessenta e setenta, a Avenida Paulista entra em um processo irreversível de verticalização, os antigos palacetes e casarões são demolidos, sendo substituídos por edifícios residenciais e comerciais. A especulação imobiliária dá passagem para os espigões de 30 andares. A avenida passa, então, por profunda mudança paisagística. Os leitos destinados aos veículos foram alargados e criaram-se os atuais calçadões, caracterizados por um desenho branco e preto formado por mosaico português. O projeto de redesenho da avenida ficou a cargo do escritório da arquiteta Rosa Grena Kliass. O projeto do novo mobiliário urbano da avenida foi assinado pelo escritório Ludovico & Martino.
Palco das principais manifestações políticas, culturais e sociais, a Avenida Paulista é considerada o coração da cidade de São Paulo. Continua a ser sofisticada, elegante e imponente. Se há uma manifestação na Paulicéia, corra para ou fuja da Avenida Paulista, com certeza que é lá que está a acontecer.

Principais Prédios e Edificações da Avenida Paulista:

Consulado Geral da França
Consulado Geral da Itália
Consulado Geral da Argentina
Hospital Santa Catarina
Itaú Cultural
Grupo Escolar Rodrigues Alves
Casa das Rosas
Instituto Pasteur
Painel do Edifício das Nações Unidas
Justiça Federal – Tribunal Regional Federal – 3ª Região
Fnac
Edifício Top Center
Prédio da Fundação Cásper Líbero (Local onde fica o Cinema Reserva Cultural, Tv Gazeta, Faculdade Cásper Líbero, Teatro Gazeta)
Banco Safra
Citigroup/Citibank
Fiesp/Ciesp/Senai/Sesi – Edifício Luiz Eulálio Bueno Vidigal Filho
Advocacia Geral da União – Procuradoria Regional da 3ª Região
Parque Tenente Siqueira Campos
Museu de Arte de São Paulo – Masp
Túnel 9 de Julho
Belvedere Trianon
Justiça Federal – Fórum Civil Ministro Pedro Lessa
Residência Joaquim Franco de Mello
Edifício Sul-Americano
Conjunto Nacional
Livraria Cultura
Relógio Itaú
Restaurante Fasano
Shopping Center 3
Maison Madame Rosita
Colégio São Luís
Igreja São Luís Gonzaga
Mural Volpi
Praça Marechal Cordeiro de Farias
Torres de rádio e TV – (Record, Globo, TV Gazeta, Kiss FM, Jovem Pan, Rede Gospel)
Complexo Viário Avenida Paulista/Rebouças/Dr. Arnaldo
Metrô – Linha 02 – Verde (Estações Brigadeiro, Trianon-Masp e Consolação)


 


 
 
tags:
publicado por virtualia às 02:34
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.posts recentes

. DOMINGO - GÊNESIS DE GAL ...

. RICARDO MACHADO VOLUME 2 ...

. CORRA E OLHE O CÉU - RICA...

. ÉOLO E OS VENTOS

. A NOITE, O CÉU, A LUA, AS...

. YESHUA BEN YOSSEF, O JUDE...

. O MONTE DOS VENDAVAIS - E...

. O MUNDO E A CRISE DO PETR...

. OVOS FABERGÉ - O ÚLTIMO E...

. O GRANDE CIRCO MÍSTICO - ...

.arquivos

. Janeiro 2015

. Maio 2010

. Março 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds